Linux é fácil

Bom, depois de mais de uma década com a dupla “486DX2-66 e Pentium I 75MHz” (apenas o segundo deles com internet), meus pais resolveram comprar um computador novo. Quem usava era o meu pai (e eu também, quando ia na casa deles). Minha mãe nem estava muito a fim de aprender a usar computador nas nossas peças de museu. Eu ainda gostava do Pentium 75 (que inclusive foi citado na postagem “Acessibilidade na web”), mas ela se estressou com a lerdeza dele pra navegar na internet (principalmente por causa das animações em Flash, hehe).

Então, eles venderam os dois (o que inclusive foi surpresa pra mim, achei que iam vender só o mais velho) e compraram um novo, desses modelos “populares” mesmo. Meu pai preferiu por Linux, por ser livre, e eu é que nunca recomendaria o Windows Starter Edition (= Windows Lixo Edition). Mas será que ele se entenderia com o computador novo?

Bom, ainda não fui lá (Santa Maria) pra ver a novidade, mas sei o que aconteceu pelo que a minha mãe me contou… Meu pai montou pacientemente todo o computador e o monitor não ligava. Eu estava meio indignado e perguntei: “Mas justo o monitor, que não costuma dar problemas, é só ligar na tomada e apertar o botão…”. Mas preferi não dizer o fim da frase: “Vocês apertaram o botão de ligar, né?”. Bom, por “increça que parível”, eu devia ter feito a pergunta. Depois de algumas horas irritados com o monitor problemático, eles (meu pai e minha mãe) ficaram desconfiados de algo e resolveram ler o manual. O botão estava na parte traseira do monitor perto da lateral… :o

Certo, então o que se pode esperar de alguém que não consegue achar o botão de ligar o monitor e fica horas pensando que ele está com defeito? Consegue usar o Linux? Consegue, sim! Fiquei sabendo que ele telefonou pra GVT e conseguiu configurar a internet e agora navega na internet normalmente. Contrário a todas as expectativas, conseguiu usar a impressora. Uma pena que não conseguiu ouvir nenhum som… Seria uma baita infelicidade se o sistema tiver vindo mal configurado, mancada do fabricante!!! Mas, considerando que o botão de ligar o monitor demorou pra ser encontrado, talvez seja só um cabo conectado errado… :D Atualização: O problema do som já foi resolvido :)

Bom, mais detalhes eu não sei, só quando eu for fazer uma visitinha lá. Mas pelo que fiquei sabendo é uma história bem maluca, divertida, difícil de acreditar, mas real, hahahaha. Eles já estavam preparados pra devolver o monitor quando acharam o botãozinho… Apertaram e apareceu um pingüim :D

Anúncios

Acessibilidade na Web

Me passaram este link de um vídeo sobre acesssibilidade em páginas da internet:

http://blog.fspina.com.br/acessibilidade-na-web-custo-ou-beneficio/

O vídeo mostra bem o que eu sempre pensei, só com casos extremos, como no caso de pessoas que não enxergam ou não têm coordenação pra usar o mouse. Achei muito legal porque mesmo eu tendo boa visão (apesar de usar óculos) e coordenação motora (apesar de não conseguir praticar nenhum esporte), fico irritado com alguns sites por aí…

Era uma vez um site que continha o cronograma de um evento todo em Flash, em texto não-selecionável (portanto não copiável), numa janela de tamanho fixo (acho que era menos que 600×300) onde não cabia todo o cronograma, e portanto exigia rolagem (e provavelmente, não me lembro bem, a barra de rolagem era daquele tipo inusável). :-(

Acho que as únicas maneiras de salvar e imprimir aquele cronograma eram (1) copiar à mão ou (2) tirar fotos da tela do computador. Não consegui imaginar outra forma.

E tudo isso só era atingível depois de assistir a uma animação totalmente supérflua (pra piorar mais um pouco, imaginem a animação rodando num Pentium 75, que foi onde esse “causo” ocorreu). Mandei um baita e-mail xingando eles, e eles disponibilizaram o download do cronograma… em formato Word :-o . Ainda por cima eles disseram que pra eles e pra os designers o site parecia muito bom.

Segue abaixo a minha listinha de incomodações comuns nesses feitos por designers sem nenhuma consideração de acessibilidade

  • Site não redimensionável. Ruim: o usuário maximiza a janela mas o site continua pequeninho e centralizado. Pior: o site abre numa janela pop-up não redimensionável. Catastrófico: o site exibe algo que precisa de mais espaço e as barras de rolagem foram desativadas no pop-up.
  • Conteúdo todo em Flash. Ruim: não é possível localizar texto (até os mecanismos de busca se atrapalham com isso) nem navegar pelo teclado. Pior: não é possível copiar o texto e as barras de rolagem rolam em velocidade constante menor que 1mm/s. Catastrófico: você precisa imprimir o cronograma que está na página, o texto não é selecionável e o problema de redimensionamento também está presente.
  • Javascript desnecessário. Ruim: a maioria dos links abre pop-ups, campos de formulários onde até a tecla Tab é proibida e há links para history.back(). Pior: enquanto alguns links abrem obrigatoriamente pop-ups, outros links são na verdade código em Javascript que impedem o usuário de abri-los em outra janela ou aba (a aba que se abre fica em branco). Catastrófico: os links são o resultado de uma busca, contendo 50 itens ou mais, separados em páginas de 10 ou 20 itens cada e a pessoa é obrigada a ir no primeiro, voltar, ir no segundo, voltar, etc. (exemplo deste último caso: hagah.com.br!)

Pra quem usa leitores de tela, a situação é ainda pior; pior do que eu chamei de catastrófico! :-o