Trocadilhos com ônibus

Trabalhar criando propagandas e frases de efeito deve ser difícil. Tem que ser sempre criativo… E às vezes tem que jogar fora umas idéias engraçadinhas…

Quando essas idéias “engraçadinhas” não são jogadas fora, a gente encontra pérolas como estas aqui, de empresas de ônibus:

“Gazômetro, 52 anos na parada” (Bah, que ônibus demorado, esse! Vou esperar só mais 15 anos, senão vou de táxi) (Gazômetro com Z mesmo)

“TEU! Você um passo à frente” (“Um passinho à frente por favor! Tem mais espaço ali no fundo!”) (TEU é o nome do cartão/vale-transporte/sei-lá-o-quê da região metropolitana de Porto Alegre. Eu uso o cartão TRI, que é só de Porto Alegre mesmo)

Tem como não ficar irritado com esse slogan “Você um passo à frente”? Tem como não imaginar aquele cobrador chato querendo que todo mundo se esprema no ônibus? Hahahahahaha :-)

Recém

Hoje é dia 21, dia de postar no blog!

Depois de algumas coincidências de datas já estou começando até a postar de propósito no dia 21 ou 22, hehehe. E como hoje é sábado e estou com uma ou duas idéias na cabeça, vou aproveitar pra manter a tradição.

Agora, ao assunto principal: por esses dias eu fiz uma descoberta sobre a palavra “recém”. Achei curioso porque a língua é algo que a gente nunca termina de aprender, sempre tem algo mais.

Eu estava conversando com a Adriana por e-mail (também conhecido como MSN-com-baita-delay, usado quando o MSN está bloqueado no trabalho) e usei a expressão “a recém”, que pra mim soa completamente normal… Daí ela disse que isso dói no ouvido, ou melhor, disse que “dói na alma”, que era só “recém” mesmo que se dizia. Nunca tinham me ensinado isso e fiquei pensando se eu estava falando algo do tipo “gostemo” (gostamos) ou “alevantar” (levantar)…

Deixei pra lá por uns dias, pois não sabia como tirar a dúvida. Como eu ia procurar isso na internet ou num livro? Mesmo assim, acabei indo dar uma olhada no dicionário. “Vai que tem alguma pista ou algum exemplo?”. Fui lá e não encontrei a palavra! Ué, está certo que se trata de um minidicionário, mas uma palavra tão comum, “recém”, por que estaria de fora? Fui pra a internet e resolvi uma parte do mistério. Veja você mesmo:

http://www.aulete.portaldapalavra.com.br/site.php?mdl=aulete_digital&op=loadVerbete&pesquisa=1&palavra=rec%E9m

(re.cém)
adv.
1. Pouco antes, recentemente.
[F.: Apoc. de recente. NOTA: Embora no sul do Brasil recém possa ocorrer como advérbio independente, o seu uso mais geral é como prefixo, sempre antes de um particípio, ligado a este por hífen: recém-formado, recém-nascido.]

Putz, eu nunca ia imaginar isso. Eu sempre usei “recém” (quer dizer, “a recém”, hehehehehe) como um advérbio normal, que também pode ser usado como prefixo…Aliás, estou gostando desse dicionário on-line Aulete (portaldapalavra.com.br). Antes eu usava o Priberam (priberam.pt/dlpo), mas como é de Portugal, eu tinha que relevar certos factos :-) No Aulete eu até encontrei a palavra “sampar”, uma palavra que eu nunca tinha visto escrita e estava pensando que só eu usava :-) O dicionário registra mas explica que é regional. Sempre falam dos “bah”s e “tri”s dos gaúchos, mas nunca tinha ouvido falar no sampar

Editando: Agora pensei na possibilidade de se escrever “Há recém”, ou seja, “há (faz) pouco tempo”, “há recém 5 minutos”, “faz recém 5 minutos”, etc. Algum especialista em gauchês por aí pra sanar a minha dúvida?

Editando 2 (postado originalmente como comentário): Achei num dicionário de gauchês que eu vi na banca de revistas a expressão “a recém”. Quer dizer, é regional, mas está dicionarizada, sim; com “a” na frente e tudo! Imagino que isso indica que não está errado!