Mais uns rage comics

Embora eu tenha postado sem nenhum contexto, o post anterior foi feito para quem vive dizendo:

  • Bem que podíamos todos escrever como se diz, em vez de decorar se é com S ou com C…
  • Por que a ortografia do inglês é tão caótica?
  • Por que perder tempo com verbos irregulares (tanto na nossa língua quanto na dos outros)?
  • Por que precisamos ter umas palavras com -ção e outras com -mento?
  • Por que aprender inglês se eu não estou interessado em Halloween nem em ovos com bacon no café-da-manhã?
  • E se eu estou mais interessado em, digamos, italiano, por que dedicar tantas horas ao inglês se o italiano é mais interessante pra mim?
  • Bem que podia haver uma língua mais lógica pra todos se comunicarem…
  • E que fosse mais rápida de aprender…
  • Por que eu tenho que aprender a língua dos estadunidenses se eles não aprendem a minha?

Bom, essa língua existe e se chama esperanto. E sério, ao ver certas situações de incompreensão por diferenças de língua, gastos em tradução, ou simples má pronúncia (isso faz lembrar certos casos no futebol), dá vontade realmente de dizer “Por que vocês não falam Esperanto?” (ou, no inglês comicamente errado “Y U NO SPEAK ESPERANTO?”).

O esperanto ainda não está entre as 10 línguas mais faladas do mundo, mas com certeza é uma das 100 mais faladas (isso num planeta de mais de 6.000 línguas). A proposta de solução está aí funcionando, por experiência própria. Não dá pra dizer que ninguém fala — falam (*). Não dá pra dizer “que bom seria se existisse…” — existe. É fácil ver que tecnicamente uma 2ª língua neutra para todos é uma solução melhor do que a alternativa mais comum. Só precisa de um pouco mais de difusão e apoio.

(*) Wikipédia, Facebook e o tradutor do Google já existem em esperanto. Pessoas que hospedam esperantistas em mais de 90 países pelo mundo, em todos os continentes.

Fiquem agora com dois rage comics que eu fiz (não que seja motivo de orgulho fazer um rage comic), o primeiro mostrando a evolução da língua, a partir de um livrinho sem graça em 1887 até os dias de hoje. O segundo é pra quem já fala e de vez em quando se decepciona com algumas coisas, hehehe.

O carinha comendo cereal acha que ninguém vai falar esperanto, e se surpreende cuspindo o cereal ao ver as coisas que já existem na língua

(a foto eu tirei daqui: http://fabinhomonteiro.com/2011/07/20/8-a-tutamerika-kongreso-de-esperanto-2/ — eu estava nesse congresso, só vai ser meio difícil me achar na foto…)

E aqui a outra historinha:

Kia malbona surprizo, kiam oni ekscias ke prelego de la kongreso ne estos esperantlingva!