Músicas que nunca ouvimos inteiras

Existem algumas músicas que tocam muito em vinhetas, comerciais, filmes, programas de rádio e televisão, e quase nunca são tocadas inteiras por aí que acabamos até achando que elas são só aquele trecho mesmo. Se a música (ou o trecho) for instrumental, fica ainda mais difícil descobrir o nome dela (pelo menos antes da internet e antes dos aplicativos identificadores de música)

Até que alguma rádio de vez em quando resolve tocar a música inteira, ou você descobre de outro jeito qualquer e se surpreende que existe uma música inteira além daquele pedaço!

Exatamente quais músicas são essas vai depender da pessoa e do que ela assiste e costuma ouvir: para uma pessoa pode ser óbvio que X é um pedaço de uma música do Satriani (ou Rush, ou Dire Straits, ou…), Y é um trecho de uma música do Jean Michel Jarre (ou Kraftwerk, ou Yanni, ou Vangelis, ou…) enquanto que para outra pessoa os únicos artistas que existem são os que aparecem no Fantástico… Então vou postar aqui uma lista de músicas que foram grandes descobertas para mim (algumas nem devem ter sido trilha sonora de nada, mas para mim foram grandes descobertas). Espero lembrar das principais, se não lembrar, vou editando este post mesmo. Talvez eu ponha links no futuro.

  • Melissa Manchester – Thief of Hearts (música do “Garota Verão”)
  • Joe Satriani – Summer Song (deve ter sido tema de algum programa de TV que não lembro mais…)
  • Jean Michel Jarre – Rendez-Vous 4
  • INXS – Devil Inside (tocava de fundo num programa de rádio… que tocava outras músicas na sua programação e nunca essa…)
  • a-ha – Stay On These Roads (talvez Take On Me para algumas pessoas, mas essa já é óbvia demais — Stay On… é menos conhecida e eu acho que tem a mesma capacidade de ficar no inconsciente das pessoas, haha)
  • Era – Ameno (a versão Remix eu acho que é mais conhecida que a original! Pra dizer a verdade, chega a parecer que os nomes são trocados, porque a original parece muito mais um “recorta-e-cola” do que a remix!)
  • America – Sister Golden Hair (grande descoberta que já mereceu um post neste blog)
  • The Housemartins – Build (a música do “pa-pa-pa-papel”)
  • Elbosco – Nirvana
  • Cyndi Lauper – The Goonies R Good Enough
  • Enya – Anywhere Is
  • Mark Knopfler – The Long Road
  • The Prodigy – Mindfields (uma das músicas das provas do “Curtindo uma viagem” do SBT)
  • Offspring – Come out and play
  • Secchi Pres. Oscar – Voyage Voyage mix. Children (Robert Miles)(mencionado aqui só por causa do mix com a música Children, que me parece ser menos conhecida)
  • Harold Faltermeyer – Axel F (não me venham com Crazy Frog, esta é a original do “Um Tira da Pesada”)
  • Peter, Bjorn and John (feat. Victoria Bergsman) – Young Folks

E aí, alguém tem alguma a adicionar? Ou alguém encontrou algo interessante que não conhecia na minha lista? Foi um pouco difícil filtrar a lista para não incluir (muitas) músicas “só porque eu gosto e são pouco conhecidas” (ou eu deveria incluí-las?)

Anúncios

a-ha, de novo! :-)

Em março do ano passado o a-ha estava aqui no Brasil. E agora, quase um ano depois, também em março, eles voltaram. E eu fui assistir, claro. Desta vez optei por ir só a um dos shows, para “evitar a fadiga”. O show estava ótimo também. Claro que a emoção não foi a mesma do que foi na primeira vez que vi a apresentação deles, mas foi muito bom mesmo assim. Que bom que não tiraram The Swing Of Things. Surpresa por tocarem uma versão acústica (voz e 2 violões) de You Are The One. Desta vez eu tirei algumas fotos e gravei um vídeo (o som não ficou bom), mas realmente não dá pra prestar atenção no show enquanto se tira fotos, por isso parei de tirar fotos e passei a prestar atenção só nas músicas a partir de um certo momento. Valeu a pena ter ido.

Sister Golden Hair

Sister Golden Hair é o nome de uma música (da banda America) que eu vinha procurando havia muitos anos. Mais de 10 anos! Eu tentava procurar por um trecho da letra na internet, mas só lembrava de trechos muito genéricos que não resultavam em nada, ou entendia errado e aí sim que não achava mesmo. Eu chamava de “A música do I ain’t ready tãrãrã friend of mine“. Isso quando eu não pensava que a letra fosse “Are you ready”

Um dia encontrei um site muito legal, o http://www.midomi.com/. Nele a gente canta um trecho de uma música e ele acha o nome dela. Muito massa! Testei cantando uns trechos de músicas que eu conhecia e ele funcionava. Daí fui tentar procurar essa música que eu queria, mesmo sem saber a letra. E ele achou? Não, porque eu cantava  muito mal!! :-D Eu não conseguia cantar (se é que dá pra chamar aquilo de cantar) nem 10 segundos da melodia. Aí não dava certo mesmo.

Até que no dia de hoje, finalmente, tive a sorte de ouvi-la no rádio do celular (na Antena 1) quando eu estava na frente do computador. Na mesma hora enfiei no Google todas as frases que eu entendia da letra. Foi mais fácil porque eu não precisava memorizar o trecho pra procurar depois (eu sempre acabava esquecendo). Deu certo!

Acho incrível a melodia dessa música. Só não gosto muito daquela hora em que ela muda completamente (“Will you meet me in the middle…”). Por mim ela podia ficar eternamente na melodia das primeiras estrofes… Vou ouvir umas mil vezes hoje.

Fica aí um vídeo no YouTube dos vários disponíveis com a música. Escolhi meio que aleatoriamente, devem existir vídeos melhores que esse, mas serve pra conhecer:

http://www.youtube.com/watch?v=rQ3ax8NWNGA

Magnet 80

Eu fico um tempão sem postar nada e depois escrevo duas coisas no mesmo dia…

Vim aqui avisar que atualizei minha página na Last FM (http://www.lastfm.com.br/music/Marcus+Aurelius+Cordenunsi+Farias/Hipn%C3%B3tica) com uma nova música, chamada Magnet 80. Ela está num estado meramente apresentável, portanto pode ser que eu poste novas versões dela depois. Quem quiser ouvir passa lá. Como eu já disse da outra vez: produção totalmente caseira, sem nenhuma pretensão.

Ah, a Last FM passou a ser paga, mas as minhas músicas são de download livre. Para uso não-comercial, claro :-)

Tirando pó do blog…

Mais de dois meses sem postar nada… Voltei aqui pra avisar para os (poucos) leitores que o blog não morreu, mas acho que não aconteceu nada de muito interessante na minha vida depois dos shows do a-ha. Ou talvez todo o resto tenha perdido a graça depois dos shows :-p

Ainda falando sobre música, o a-ha lançou seu novo álbum recentemente, o Foot Of The Mountain. Não chegou no Brasil, mas foi disponibilizado na internet, no site oficial (acreditem se puderem — só não sei se ainda está lá…). Bom, eu só tenho a agradecer a eles pela generosidade! Quando chegar o CD no Brasil eu compro com certeza, afinal estou ouvindo sem parar e se não fosse pela dificuldade de encontrar certos títulos como o Memorial Beach, o How Can I Sleep With Your Voice In My Head e o Demo Tapes, eu teria a coleção completa. O mais interessante do Foot Of The Mountain é a volta aos sintetizadores: parece saído direto dos anos 80! Fazia tempo que o a-ha não usava tanto sintetizador nas músicas. Desde 1990 não saíam músicas tão “chicletes”. Em geral, o pessoal da comunidade do Orkut gostou bastante, embora alguns preferissem o lado mais rock da banda.

E quanto a shows, estou torcendo pela vinda do Depeche Mode a Porto Alegre. Ou será que eu deveria embarcar em outra viagem ao sudeste (SP ou RJ) para desta vez ver o Depeche Mode?

Shows do a-ha

Dia 24 de março de 2009, acordando cedo pra pegar o avião. Que belo dia pra acordar com dor de garganta e com o nariz pingando! :-(

Mas eu estava muito otimista pra me importar com isso. O show era no dia seguinte e muitos antigripais e pastilhas pra garganta depois, no dia 25 eu já estava suficientemente bem pra ir ao show. Foi a melhora mais rápida que já tive, hehehehe! Ainda bem que a mãe foi junto pra cuidar de mim :-)

16:30h, pegando táxi para ir ao local do show, que era às 21:30h. Horas na fila… Encontrei um pessoal da comunidade do Orkut e fiquei ouvindo as conversas deles. Foi aí que eu fiz a bobagem de esperar em pé na fila o tempo todo. Claro, na hora eu não estava cansado. Só que às 20:00h, estávamos entrando e eu não agüentava mais ficar em pé, e para descansar eu acabei perdendo o meu lugar. Mas o pessoal foi legal e o lugar onde fiquei não foi nem um pouco ruim. Então eu já estava bem melhor quando o show estava por começar. Quando eu estava na fila já estavam comentando o fato de terem ouvido a passagem de som de Living a boy’s adventure tale, uma música não muito comum em shows. E foi com essa música que eles começaram.

Que emoção!!!!!!! Melhor show da minha vida! Eu que nem era tão fã da música Living a boy’s adventure tale adorei terem usado ela na abertura. Ficou linda!

Vou pegar a lista de músicas do site oficial do a-ha e dar uma comentada.

Living a Boy’s Adventure Tale (álbum: Hunting high and low, 1985)
The Blood That Moves The Body (álbum: Stay on these roads, 1988)
Cry Wolf (álbum: Scoundrel Days, 1986)
Scoundrel Days (álbum: Scoundrel Days, 1986)
Manhattan Skyline (álbum: Scoundrel Days, 1986)
I’ve Been Losing You (álbum: Scoundrel Days, 1986)
Minor Earth Major Sky (álbum: Minor Earth Major Sky, 2000)
Riding The Crest (álbum novo, que está pra ser lançado em 2009)
Shadowside (álbum novo, que está pra ser lançado em 2009)
I Dream Myself Alive (álbum: Hunting high and low, 1985)
Hunting High and Low (álbum: Hunting high and low, 1985)
Summer Moved On (álbum: Minor Earth Major Sky, 2000)
Train of Thought (álbum: Hunting high and low, 1985)
The Swing of Things (álbum: Scoundrel Days, 1986)
Stay On These Roads (álbum: Stay On These Roads, 1988)
What There Is (álbum novo, que está pra ser lançado em 2009)
Forever Not Yours (álbum: Lifelines, 2002)
Crying In The Rain (álbum: East of the sun, west of the moon, 1990)
The Living Daylights (álbum: Stay On These Roads, 1988)

Bis:

The Sun Always Shines on TV (álbum: Hunting high and low, 1986)
Analogue (álbum: Analogue, 2005)
Take On Me (álbum: Hunting high and low, 1986)

Como deve ter dado pra ver, privilegiaram os primeiros discos da banda. Isso foi uma bela surpresa, pois eu achava que iam tocar mais músicas do Analogue (tocaram só a faixa-título). Eu adoro o Analogue, mas não tem como não gostar do clima anos 80 dos primeiros discos. O setlist foi perfeito. Não tocaram nenhuma do Memorial Beach (tem umas dele que eu gosto bastante) mas o show não deixou de ser perfeito por causa disso.

A seqüência Cry Wolf, Scoundrel Days, Manhattan Skyline e I’ve Been Losing You foi ótima. Depois dessas quatro músicas do Scoundrel Days, eu estava até com receio de que deixassem de fora a The Swing of Things, mas que bom que acabaram tocando ela, só que um pouco depois! Ah, lembrei que na fila e na saída descobri que várias pessoas, como eu, estavam esperando por essa música. Não sou só eu que sou fã de The Swing of Things, então!

Depois de tocarem Minor Earth Major Sky, nos apresentaram duas músicas novas: Riding the crest e Shadowside. Na verdade, nós já conhecíamos essas músicas porque foram postados vídeos no Youtube de um show anterior em que a banda já tinha apresentado as novidades. As duas são bem legais, parece que o a-ha voltou aos synths dos anos 80.

I dream myself alive foi uma surpresa. É outra música do primeiro álbum que, assim como Living a boy’s adventure tale, não é muito tocada em shows. Foi bem divertido ouvi-la.

Chegou então a parte “acústica” (por assim dizer) do show, com apenas o trio tocando (teclado, voz e violão), sem a banda de apoio (que nesta turnê foi composta por um cara na bateria e outro fazendo todo o resto com vários Macs e um teclado). Tocaram duas músicas nesse formato: Hunting high and low e Summer moved on. Depois a banda de apoio volta pra fazer uma versão de Train of thought bem fiel à original do disco, cheia de elementos eletrônicos. Vem The swing of things (sobre a qual já falei) e Stay on these roads (também bem fiel à versão do disco, ao contrário da versão acústica que vinham tocando ultimamente).

A banda sempre agradece após cada música e de vez em quando solta uns “obrigado”, hehe. O Magne até perguntou algo como: “The «obrigado» still works after all these years?” antes de anunciar que viria mais uma música nova (mas esqueceu de mencionar o nome dela em SP): What there is (título meio estranho…). Também gostei bastante. O álbum que está por vir vai ser um álbum fácil de gostar. :-)

Mais três músicas e eles fazem de conta que vão embora depois de The living daylights. É claro que a gente sabia que eles voltariam para o bis. No bis, finalizaram com a clássica Take on me pra animar todo mundo! :-)

Saí de lá com a sensação de que “nem precisava de mais nada, estava tudo perfeito”. Eu ainda tinha o show do Rio de Janeiro pra assistir. Foi legal ir no do Rio pra pegar um lugar diferente, prestar atenção nos detalhes, e passar MUITO calor! Saí encharcado de suor (essa parte não foi tão boa, hehe). O setlist foi o mesmo, com pequenas diferenças na execução das músicas (uma mudança na letra aqui, outra mudança nos arpejos ali, bem pouca coisa).

Tenho até mais coisas pra contar, mas isto aqui está longo demais. Vou parando por aqui dizendo que foi tudo muito bom e valeu a pena! Até a minha mãe voltou perguntando se não tinha outra viagem pra eu levar ela qualquer dia desses!